Existo, logo penso! (Ou se Marx foi um filósofo)

Estatuas de Marx e Engels, Berlim, Alemanha O professor (e amigo) Paulo Leal, comentando o post O materialismo inglês e o capitalismo, fez o seguinte aparte: “Amigo, seu texto tem informações importantes (...). Então, para polemizar, que é ótimo nesta seara, quero divergir sobre uma questão fundamental. Marx e Engels não são filósofos. São pensadores. O papel … Continuar lendo Existo, logo penso! (Ou se Marx foi um filósofo)

O materialismo inglês e o capitalismo

A associação do idealismo à ascensão da burguesia ao poder - e à consolidação da formação social e econômica capitalista - é muito comum. Não é incorreto, mas também não é toda a realidade, pelo menos na perspectiva histórica da Inglaterra. Com efeito, correntes materialistas do séc. XVII também foram importantes para o capitalismo nascente, … Continuar lendo O materialismo inglês e o capitalismo

Assalariados entre Heráclito e Parmênides

Heráclito, pintura de Hendrick ter Brugghen No artigo transcrito mais adiante, o economista e professor MÁRCIO POCHMANN analisa a desregulamentação das relações entre Capital e Trabalho e o esfacelamento daquilo que denomina de "sociedade salarial", isso por conta das três últimas grandes crises econômicas. O texto me deixou inquieto. Surgiram indagações que exigem um debate … Continuar lendo Assalariados entre Heráclito e Parmênides

Lula livre, o sistema de justiça e a aparente desordem

Lula carregado por apoiadores em São Bernardo. SEBASTIAO MOREIRA (EFE) “(…) aquela aparente desordem que é, na verdade, o mais alto grau de ordem burguesa.” (Dostoievski) Na quinta passada (07NOV), como é de conhecimento geral, o Supremo Tribunal Federal julgou as Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADCs) apresentadas pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pelo PCdoB … Continuar lendo Lula livre, o sistema de justiça e a aparente desordem

Bolsonaro, o mito que combate a ciência

Os prosélitos do bolsonarismo passaram a chamar o seu líder de mito. Nada mais apropriado. Explico. Nos dicionários, o substantivo masculino “mito” é entendido como uma quimera, coisa ou pessoa que não existe, mas que se supõe real. Mesmo sem qualquer indício da existência do mito, ainda assim acredita-se nele. E crer no mito corresponde … Continuar lendo Bolsonaro, o mito que combate a ciência

Moral e ética, um diálogo com Paulo Leal

Abaixo, reproduzo conversa pública que mantive (ainda está em aberto), em rede social, com o Dr. Paulo Leal, sobre moral e ética. O objetivo, nem preciso referir, é estimular o debate sobre a instituição de valores morais que animam a sociedade. Manter um diálogo com o professor Paulo Leal é, como diz o gaúcho, uma … Continuar lendo Moral e ética, um diálogo com Paulo Leal

Patrão, não. Economia solidária, sim. Acordo, talvez.

Meu grande amigo Flávio Bettanin, fundador do PT e marxista crítico, relatou na página virtual do Reflexões à Esquerda, no Facebook, e, ainda, pessoalmente, em visita feita no domingo (09JUN2019), que depois de muitos anos reviu emocionado "1900" (ou Novecentos), filme ítalo-francês de 1976, dirigido por Bernardo Bertolucci, com fotografia de Vittorio Storaro e trilha … Continuar lendo Patrão, não. Economia solidária, sim. Acordo, talvez.

REVOLTADOS, EXISTIMOS

- Cada geração se sente, sem dúvida, condenada a reformar o mundo. No entanto, a minha sabe que não o reformará. Mas a sua tarefa é talvez ainda maior. Ela consiste em impedir que o mundo se desfaça. - Albet Camus, discurso proferido no Nobel de 1957 O escritor e filósofo franco-argelino Albert Camus (1913-1960) … Continuar lendo REVOLTADOS, EXISTIMOS

O fetichismo das emendas parlamentares

Adoração do bezerro de ouro, Nicolas Poussim Um pedido especial àqueles que inadvertidamente acessaram essa postagem: por favor, antes de proferir qualquer "juízo de valor" sobre o mensageiro, leia a mensagem até o fim! Até para que se entende a razão do título. Sei que não é lá muito diplomático revistar a discussão sobre emendas … Continuar lendo O fetichismo das emendas parlamentares

A formação da consciência de classe

Retomo o exame sobre a consciência de classe. O motivo da revisita: verifiquei que o amigo Flávio Bettanin confiou-me a tarefa de introduzir, no próximo encontro do grupo Reflexões à Esquerda, o tema sobre classes sociais, utilizando como “texto base” a entrevista concedida pelo sociólogo Jessé José Freire de Souza ao The Intercept Brasil (acesse … Continuar lendo A formação da consciência de classe

Contribuição crítica ao documento “RECONSTRUÇÃO, RESISTÊNCIA E LUTA”

Reunião do grupo Reflexões à Esquerda em São Luiz Gonzaga, dia 23NOV2018. Olívio Dutra (ao lado de Flávio Bettanin e Jarcedi Terra) prestigiou o encontro Em cumprimento à tarefa para a qual me propus (ad referendum do grupo), exponho aqui anotações iniciais para a construção de uma síntese dos debates travados na reunião do Reflexões à … Continuar lendo Contribuição crítica ao documento “RECONSTRUÇÃO, RESISTÊNCIA E LUTA”

Sem sociedade autônoma não há democracia

"(...) a sociedade precisa corajosamente levantar a questão “de direito” acerca de suas instituições, perquirir a origem de seus valores e de suas crenças mais arraigadas (...)" A utopia (o “não lugar” que buscamos) de construção de uma sociedade democrática – poder do povo – passa pela articulação de uma sociedade autônoma, no meu sentir. … Continuar lendo Sem sociedade autônoma não há democracia

Bolsonaro, capitalismo e o “efeito Eichmann”

A filósofa Hannah Arendt, viva fosse, encontraria farto material para aprofundar seus estudos e, quiçá, fazer uma reedição ampliada do livro Eichmann em Jerusalém, colocando novo capítulo, intitulado “o novo Eichmann, o caso brasileiro". Para os que ainda não leram Eichmann em Jerusalém, faço um inofensivo spoiler. Na obra, Hannah Arendt aborda o desenrolar do … Continuar lendo Bolsonaro, capitalismo e o “efeito Eichmann”

A Bastilha que se ergue sobre nossas cabeças

Ontem, 14 de julho, aniversariou a queda da Bastilha, evento de 1789, em França, marco simbólico da ação revolucionária da burguesia francesa (sim, os burgueses já foram revolucionários), que ao cabo transformou sua hegemonia econômica em hegemonia política (jurídica, cultural e militar), expulsando do poder a aristocracia e a monarquia absolutista – o Ancien Régime … Continuar lendo A Bastilha que se ergue sobre nossas cabeças